Incrementando seu RPG: A sexualidade em um mundo de fantasia.



Como primeiro artigo 100% RPGistico vou explanar uma idéia interessante que tive durante o banho (a melhor hora para ter idéias): como incluir isso tudo no mundo de fantasia durante meu RPG?
Vamos falar sobre sexualidade, a mulher na sociedade, o amor, casamento, ética e moral alem de regras alternativas para representar tais coisas e outros como contatos e pontos de destino.
(Primeiro post de RPG, vamos comeeçar por onde sua vida começa...)


Para começar vamos argumentar sobre a sexualidade:
Andei lendo alguns artigos do .20 e percebi que todas as raças tem o mesmo padrão cultural, com valor a castidade, punições para a violação sexual, heterosexualismo completo e etc.
Daí comecei a me aprofundar, baseado em meu mundo de D&D e defini alguns pontos que devem ser explanados aos jogadores sobre suas raças escolhidas.
Por exemplo, o Elfo. Sexo na vida élfica é visto como uma arte, algo que simplesmente é prazeroso para o ser, assim como toda a arte na raça élfica. Portanto, seria comum o ato do homossexualismo, assim como na Grécia antiga, não significa banalização do ato sexual, mas sim um amadurecimento maior ainda não concebido pela raça humano. Quem nunca viu aquelas raças meio elfo - meio algo? Graças a esse amadurecimento do conceito e o fato dos elfos serem considerados uma raça bela. Não existe o sexo correto, somente a ato sexual. Isso é muito interessante para os jogadores que interagirem ou jogarem com elfos e elfas, para ganchos de aventuras ou de acontecimentos no jogo. Crimes como estupros e escravização sexual seriam aclamados como ir contra a vontade natural, portanto passiveis de pena mortal, com julgamentos ágeis e implacáveis, principalmente se contra indefesos. A prostituição seria um ato muito raro na sociedade élfica , é permitido mas mal comentado, por fazer da mulher ou homem alguém que não da valor ao ato mágico que é o sexo, fazendo disso uma obrigação como trabalhar, simplesmente uma afronta aos élficos, se tornando impopular (mas não para as outras raças). Não será raro o aventureiro e a aventureira se depararem com um mago ou maga élfico meio “curioso”.
(Os elfos são os seres mais belos e mais bem resolvidos sexualmente do D&D, sexo é arte...)
Já os anões teriam aquele conceito de lealdade com o clã e preservação do sangue. Baseei-me na cultura Escandinávia antiga, como os vikings e os escoceses, para ter esse padrão. O casamaneto é a pedra fundamental da cultura, traição é um crime e o padrão de beleza é pela capacidade reprodutiva, ou seja, quanto mais “fortinha” for a mulher, mais bela ela será e filhos mais fortes nascerão, preservando a força da família. A sexualidade no mundo anão seria algo comum e bem discutido abertamente, pois o conceito de cumplicidade entre os anões faz do casal uma rocha solida. As núpcias seriam algo sagrado e a virgindade não seria tão importante sendo que os homens prefeririam mulheres viúvas que já tiveram filhos pela sua comprovada capacidade reprodutiva. Não é da natureza anã praticar crimes sexuais, portanto a punição para tal é a mais severa de todas as raças, acarretando um destino pior para o criminoso, as mais brandas levaram anões a serem extirpados se suas personalidades após uma punição traumática, aniquilando com sua coragem típica. Isso inclui algo como mandar o anão para o inferno na terra, ou até mesmo na punição como o crime voltar ao criminoso 100 vezes pior. O mais comum é a humilhação publica, linchamento e banimento em terreno hostil do mesmo, após a conjuração de uma marca da vergonha reconhecida por qualquer outro anão, impossível de se desfazer.
(Quando O velho taverneiro vê sua mulher anã de ancas largas ele galanteia: "Você é como um diamante encrustado em rocha solida, lapidado pelas mãos do proprio Moradim, bendito foi o dia em que fora prometida a mim...")
No mundo Orc tudo é diferente, para começar o sexo é algo banal, que qualquer pessoa disposta faz de comum acordo com a outra. O estupro também é considerado um crime nas tribos trazendo desonra, passível de punição como a execução do agressor pela vitima. Como é um povo sempre em guerra os meio orcs, e possivelmente os meio elfos, seriam ou fonte de estupros, escravização e raramente por simples amor. Isso não está diretamente relacionado ao fato de serem considerados malignos e “feios”, mas sim ao fato de valorizarem a integridade da tribo e da raça.
(Meio orcs: Perdidos entre a barbarie orc e a barbarie humana...)
Os halflings têm fama de boa vida e isso seria muito interessante para uma cultura como tal. Na cultura dos mesmos a sexualidade poderia ser precoce, mas muito bem conhecida da raça. Suas lei éticas e morais seriam mais voltadas a educação precoce sexualmente, podendo até haver um aprendizado com algum membro da família mais distante, amigo ou cerimônia. Tal cerimônia se daria com todos os jovens de certa idade sendo cerrados em regime semi-aberto na igreja local, até que uma alma caridosa venha “conduzi-los” a sua fase adulta. Claro que somente se houver acordo e vontade de ambos, o que seria comprovado com um instrumento mágico necessário em cada vila halfling que diria se a paixão ou química realmente esta acontecendo entre aqueles seres. Isso geraria situações como o líder da aldeia halfling não aceitar a presença de um clérigo casto que nunca deixou de ser criança aos seus olhos. Homo-sexualismo talvez não seja repudiado, mas seria discriminado assim como na nossa sociedade atual. Crimes sexuais seriam punidos austeramente, com o destino do infrator nas mãos da vitima, acabando em banimento, servidão ou até mesmo execução sumaria do mesmo, dependendo da vontade da vitima e do abrandamento ou agravamento da pena por um conselho que ira se basear na gravidade do caso.
(Na vila halfling a educação sexual vai muito alem do nosso normal...)
Os gnomos fariam de tal algo misterioso e simplesmente intrigante, algo capaz de enfeitiçar as pessoas para tal. Trataria o mesmo como tratam a magia, as vezes até misturando os dois (sex-shop mágico?). Crimes seriam passiveis de punição a cargo do mestre. O total heterosexualismo e monogamia seriam algo desconhecido a raça, uma vez que sua curiosidade para tal chega a ser mais aguçada até que a dos elfos. Contudo, o misticismo em torno de tal trará um índice de castidade maior, pois somente em ocasiões muito especiais tal poder mágico seria explorado, as vezes até em demasia...
(A curiosidade matou o gato... de prazer?)
Bom por fim uma constatação cientifica. Raças como meio elfos e meio orcs são inférteis, não podem ter filhos, devido à mistura genética do individuo. Isso explica o fato de seu isolamento na sociedade pela prova de sua infertilidade e no caso das fêmeas das tribos Orcs, acusam o macho meio orc de falta de virilidade por não possuir a capacidade de satisfazer o desejo. de se ter um filho Isso acarretaria com uma grande quantidade de rangers, druidas, clérigos e bárbaros das raças meio elfo e meio orc, claro que com suas devidas aptidões para tal. O isolamento em uma floresta acarreta no isolamento sexual também (ou não, já ouviu falar em forma selvagem?).
(Ser um isolado é tão dificil... você pode virar um ranger... ou um emo...)
Nas próximas continuaremos com o assunto, amor e casamento, como é a família?...
Incrementando seu RPG: A sexualidade em um mundo de fantasia. Incrementando seu RPG: A sexualidade em um mundo de fantasia. Reviewed by Vileblade on 16.7.10 Rating: 5

3 comentários

  1. bela análise, só de ver a aparencia dos personagens as vezes vc ja imagina como é
    elfos delicados, sutis e carinhosos
    anões secos, indiferentes e orgulhosos
    orcs...brutais o_o

    pra pensar td isso no banho...eu diria q vc não economiza mta agua uahauhaua

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo... melhor ainda por ser sobre RPG


    pra pensar td isso no banho...eu diria q vc não economiza mta agua uahauhaua 2

    ResponderExcluir
  3. O custo da agua será compensado com a venda de livros do assunto hehe...

    ResponderExcluir