Histórias do metro – perdendo a paciência com tudo!

Ola companheiros de castelo! Este bardo após longas semanas sem recitar alguma história engraçada, tras a vós mais uma história de metro! Quem estava com saudades já pode pular de alegria e quem não estava com saudades talvez após uma boa história possa nutrir algum sentimento por esta coluna...
A todas uma boa rodada de Hidromel, cuidado com o vão entre o trem e a plataforma e boa história!

(Onde está o Wally?)
Histórias do metro – perdendo a paciência com tudo!

Existem pessoas que perdem a paciência fácil (algumas saem batendo em todo mundo), outras demoram mais para perder a paciência (mas alem de bater matam). Não importa que tipo de pessoa ou que quantidade de controle você possua sobre sua paciência, ela é que nem a virgindade, de um jeito bom ou ruim, uma hora você perde...


Tendo isto em mente ainda podemos destacar que existem dias em que você esta tão putaqueparivelmente estressado que qualquer coisa tira a sua paciência. E o lugar mais fácil de perder a paciência (e em alguns casos a virgindade) é o bendito do metro!

Este expresso subterrâneo da morte que de tempos em tempos me lembra um trem de carga (onde as pessoas esquecem sua humanidade) proporcionando experiências assas aprazíveis, de cunho irracional, fazendo você perder a paciência de todas as maneiras possíveis. Vou elicitar alguns momentos em que perder a paciência é o que reina:



(Olha a estação brás da linha vermelha!)

1 – Perdendo a paciência com a terceira idade!

Cara um dia você vai ser velho, mas se você for tão folgado quanto alguns velhos que vejo no metro, eu juro que chamo uma daquelas enfermeiras assassinas que aparecem de vez em quando no ratinho para fazer maus tratos em você.

No metro ninguém respeita o idoso, isso é verdade, mas o que fazer quando o idoso não respeita ninguém? Buscar seus direitos? Direitos de que? De botar a velha no asilo?

Ontem estava este que vós fala na fila para entrar no vagão da estação Morte dolorosa (Itaquera), esperei em um lugar livre a direita, deixando um amplo espaço para a passagem das pessoas (sejam elas humanas ou não), quando me passa a frente uma senhora, aparentando seus 60, simplesmente para logo em frente à fila inteira e da porta e diz que não ia sair dali de jeito nenhum.

Para quem nunca vai até Itaquera sempre temos uma fila para entrar, quem quer ir sentado fica do lado esquerdo esperando e quem quer ir de qualquer jeito passa por um estreito corredor a direita. O problema é que a idosa ficou no corredor a direita fez a resposta “E” da pergunta abaixo:

A) Não entrou e não deixou ninguém mais entrar alem de furar a fila para tal façanha
B) Não deu um passo para o lado para dar passagem e acotovelou as pessoas ao redor
C) Xingou todos de tudo quanto é nome e folgou com o funcionário do metro
D) Folgou com o resto do povo e disse “Ninguém vai me tirar daqui de jeito nenhum
E) Todas as alternativas anteriores

Cara se alguém tem o direito de perder a paciência, aquele era o momento, que eu estava atrás da velha quase que dei um “empurrãozinho” com minha mochila para terminar com o problema (e com a existência da idosa). Mas alem disso perdi mais a paciência naquele mesmo momento com o seguinte:


(Odeio essas velhinhas folgadas e acho que elas me odeiam tambem...)

2 – Perdendo a paciência com quem perdeu a paciência!


Depois da velha marrenta, dois jumentos foram entrar e se coicearam mutuamente na entrada para o vagão, daí começou uma longa discussão entre os dois cavalos, ambos relinchando palavras de baixo calão um para o outro. Se eles começassem a se atracar eu juro que me atracava junto para ceifar suas vidas de uma vez, mas felizmente alguém mais civilizado do que eu mandou os dois calarem a boca. Foi necessário um vagão inteiro se revoltar contra os eqüinos para que eles desistissem da contenda e nos deixassem em paz, assim finalmente fiz minha viagem em paz, até antes do Brás onde qualquer paz se torna desolação.



(Fotos do momento da briga...)

3 - Perdendo a paciência em grupo!

O que leva um descendente de uma meretriz a ligar seu maldito MP100 eric sansung motherfuck as 7:30 da matina e ligar a droga de um funk, A DROGA DE UM FUNK! Isso me deixa muito revoltado, muito mesmo. Era dois funkeiros e duas piriguetes dentro do metro falando do funkeirisses alheias enquanto tocavam essa musica do inferno.



Minha querida namorada começou a revolução metroviária ao obrigar eles a desligarem a porcaria do MP1000 deles, sendo seguida pelo resto do povo que até então estava com medo deles serem bandidos (ou goleiros do flamengo). O que se seguiu foi uma longa jornada de estresse mental e muita concentração budista para evitar ceifar as almas demoníacas que habitavam aqueles bonés surrados.


Minha paciência estava quase se esgotando devido ao fato de após desligarem o aparelho a tropa começar a falar de suas vidas como devassos em vós tão alta que até o capeta se incomodou no momento. Vocês podem achar que estou exagerando, mas se sentissem o mesmo rancor absoluto que sinto estariam neste momento dilacerando carne e ossos entre outras modalidades de relaxamento.

(A unica utilidade que eu encontro para funkeiros... Sem ofensas!)



4 - Perdendo a paciência consigo mesmo!
Eu estava com tanto sono, tanto sono, que mesmo sendo ateu, rezei a todos os deuses, sejam romanos, nórdicos ou egípcios para que a carruagem do mal (metro) voltasse com minha pessoa ainda sentada no banco. Fui atendido e simplesmente capotei de sono na janela.
A viagem que se seguiu foi ótima, maravilhosa, dormi e até sonhei. Quando abri meus olhos e olhei a estação havia passado direto pela estação em que ia descer, fui parar umas 4 ou 5 estações a frente. Fiquei muito bravo comigo mesmo praguejando enquanto despertava. Foi então que resolvi me levantar, o problema foi que simplesmente não conseguia me segurar na barra por que meu maldito braço estava dormente de dormir em cima dele, enquanto o outro carregava minha mochila de carga. Então fiquei pulando de um lado a outro do vagão com as freadas doidas que o filho de uma boa mãe do condutor soltava de vez em quando.
Como podem ver o dia já não estava bem, agora pensa você ir tomar água e simplesmente seu copo estourar na sua mão e molhar você e o chão inteiro. Pois é parece perseguição, não é? Agora imagina após você sequer o chão inteiro com uma flanelinha, na hora em que coloca café em um copo plástico, o maldito copo estava furado. Aquilo me deu uma raiva tão grande, tão grande, mas infelizmente tive que me segurar, não havia cordas para me enforcar no viaduto.


(Vem pessoal! cabe mais um aqui em cima!)
5 – Perdendo a paciência com entidades inumanas!
Muitas vezes eu imagino que o metro seja uma centopéia gigante que devora humanos, nos digere e depois cospe a sua vontade. Sua movimentação independe de horários, mas sim do humor da mesma. Sempre que você está atrasado ele vai demorar demais para chegar, vai ficar 3 anos esperando o trem a frente que faz o mesmo com o subseqüente até descobrirmos que o primeiro fez uma pausa para o café. E para variar sempre que você desejar chegar cedo você vai chegar atrasado pois alguma bactéria que habita o intestino da centopéia de metal vai proporcionar uma calamidade que vaio fazer ela demorar mais para te vomitar em seu destino, seja ela pessoas que acharam que poderia voar por cima dos trilhos e se jogam, pessoas que são jogadas pelo rebanho nos trilhos, pessoas que se matam dentro do vagão ou pessoas que se matam uns aos outros no vagão.
Mas se existe uma entidade inumana que revolta é aquela igreja multiversal do banco de deus que envia pastores apostólicos para os 30 cantos da terra redonda.
O que leva o homem de deus a entrar no vagão lotado e pregar a todos os presentes gritando, GRITANDO!!!!!!!. É incrível a petulância do ser de estar a serviço de deus. Para piorar ele está sentado olhando para o nada enquanto gritava asneiras e dizia que faz isso porque enviar a palavra pelos quatro cantos do mundo é cansativo! Literalmente só posso dizer uma coisa: Meu deus... O pior de tudo é que isso é apoiado pela “entidade” do banco de deus que diz que isso é para arrebanhar mais inquilinos, digo, fiéis, depois pergunta porque somos tão preconceituosos quanto a pessoas tão religiosas...
(É assim que me sinto toda vez que entro no metro...)


Agora me digam:

QUANDO VOCES PERDERAM A PACIENCIA NO METRO? QUE FIM LEVOU A FONTE DE SUA IRÁ?
Histórias do metro – perdendo a paciência com tudo! Histórias do metro – perdendo a paciência com tudo! Reviewed by Vileblade on 2.9.10 Rating: 5

9 comentários

  1. É por isso que eu ando de onibus, as vezes chego tarde, as vezes não, mas pelo menos da pra ver o lado de fora, respirar o ar (im)puro da cidade, e se quebrar o busão, sempre tem outro atrás que da pra pegar, já o metro quando quebra, é um Deus nos acuda.
    Quanto aos "idosos", nos busões também é igual, tente sentar num banco amarelo e não sair quando chegar um "idoso", só falta ele sentar o sarrafo em você, mas, fazer o que né, esse será o fim meu fim, o seu fim, o fim de todos, quem sabe quando chegar a nossa vez, não sejamos tão ranzinzas assim.
    abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nem todos tem escapatória, existem coisas como horario do rush e marginal tiete que destroem a esperança humana...

    ResponderExcluir
  3. Ainda que pego na linha azul e normalmente na primeira estação, até no horário da manhã dependo do dia fico sentado de boa jogando Hohohohohoho.

    ResponderExcluir
  4. HAuahuahu......confesso q me imaginei sentado na mina da figura 6

    E velhinhos são foda msm é a msm coisa qdo vc qr correr na escada rolante só q tem sempre um idiota q fica na parte da esquerda da escada e fode td mundo atras....q raiva q tenho dessas pessoas.

    ResponderExcluir
  5. Os Funkeiros são o que mais me stressão, falando suas bostas com musica idiota e irritante, e pior que eles nunca deixam acabar uma musica ... acredito que que naverdade eles só querem mostrar quais musicas tem no celular ... acho que vou começar colocar meus Grind Core para tocar no busão tbm ...

    ResponderExcluir
  6. pra não perder a paciencia só rindo da desgraça alheia(do wellington) uahuahuahuahua

    ResponderExcluir
  7. Nossa, vc deveria escrever um livro, eu entrei nas suas histórias!! Muito pareceida com as minhas, e irritante como a da minha vida!!

    Mas...graças a Deus não pego metro para ir trabalhar, pego o microonibus as 4 da manhã VAZIO!! huahuahhau

    boa sorte Tom

    ResponderExcluir
  8. Valeu dri, agora que falou de busão me lembre de postar historias sobre busão as 4 da manha, eu tenho tambem... serio...

    ResponderExcluir
  9. Quando o assunto é transporte público, a opinião é quase unânime, porque já disse Nelson Rodrigues que toda unanimidade é burra:
    “Na hora de odiar, ou de matar, ou de morrer, ou simplesmente de pensar os homens se aglomeram. (…) A opinião unânime está a um milímetro do erro, do equívoco, da iniqüidade. (…) Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.”

    O transporte público não presta! Não funciona!

    Bom, concordamos que isso lá é verdade. Mas vamos reconhecer que tudo depende do ponto de vista.

    Você pode tirar muitas lições durante uma viagem de ônibus pela capital paulistana. Ou até mesmo no metrô.

    Esta ninguém me contou, eu vi.


    Read more: http://contandosentimentos.blogspot.com/#ixzz1KxxXlLZ3
    Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

    ResponderExcluir