Papo de Bardo: O amor existe?

Ola companheiros de taverna! Estive distante por uns tempos e para não dizer que não adiciono mais nada ao blog venho com uma nova serie de artigos que vou escrever paralelamente as histórias do metro: Papo de Bardo.
Nessa serie pretendo opinar sobre temas como ética, moral, fé, amor, sedução e cultura em geral, como política e humanização. Percebi que a internet não é só uma ferramenta de protesto, mas sim de conscientização, que é o que vou tentar fazer com isso, pois muita gente precisa de alguma estrutura que ajude na tomada de decisão e na formação de opinião sobre algo, assim deixando de ser mais um alienado (falei igual aos artigos revoltados do Eric ) para se tornar um verdadeiro cidadão... 
O amor existe?
Por que escolhi o amor como primeiro assunto? É obvio tudo se resume ao amor, acreditem ou não no mesmo, alias, espero que reflitam um pouco melhor com essa minha visão do mesmo, mas vamos lá.


Na nossa realidade surreal o amor é um assunto delicado. Não é mais visto como aquele platônico, de conto de fadas onde o príncipe ou princesa luta contra deus e o mundo para conseguir viver com sua cara metade. Eu fico feliz em perceber que o amor é mais respeitado hoje em dia, mas por esse mesmo motivo ele parece desaparecer nas mentes da nossa querida geração Y que procura cada vez mais sucesso e interação com essa evolução rápida do tempo, se esquecendo desse belo sentimento capaz de fazê-lo parar por um instante. O que mais me preocupa é que falar de amor parece ser um tabu para tantos que milhares de indivíduos acabam se esquivando em afirmar com um sincero “eu te amo” por puro medo de mais uma decepção.
Gostaria que entendessem que o amor não é um bicho de sete cabeças, mas para falarmos e explicarmos sobre ele é como falar de religião, ou seja, é um terreno perigoso, quase um campo minado.
Para muitos, o amor parece ser um mito, para alguns um sonho de consumo, para outros uma ilusão e para poucos uma afirmação. Mas o que me parece estranho é que poucos fazem referencia a algo muito importante: O amor faz você cometer loucuras!
Mas isso não é ruim? Pelo meu ver não, pois mesmo que o amor possa te maltratar e em alguns casos até deixar o individuo maluco ou perturbado, eu vejo que é por isso que ele é tão desejado. O amor é capaz de elevar o estado de uma pessoa a um patamar onde ele faria coisas que jamais faria antes, tudo para agradar/impressionar/ajudar a pessoa amada. E mesmo quando é uma experiência desastrosa (acreditem disso eu entendo) ele nos tira de nossa zona de conforto nos forçando a evoluir mentalmente, que é o que realmente precisamos nesse novo modo de vida da geração em que vivemos.
Nisso eu concluo com uma afirmação: Amar é evoluir!
Bom, é nessa parte que algum cético (já tenho alguns em mente) me vem falar algo como “mas os cientistas dizem que são efeitos químicos...”, só para pagar uma de bonzão no debate. Para começo de conversa eu concordo parcialmente com os cientistas dizendo que o amor acontece com efeitos químicos em nosso corpo, mas abomino a idéia de um dia podermos calcular ou criar o mesmo, pois existe o fator aleatório, aquele dado de 20 faces que é a nossa mente. Mesmo os mais renomados psicólogos admitem que suas analogias sejam compostas apenas de PEQUENOS aspectos do amor e que o próprio é imprevisível e incalculável.
E daí? É o que diz o cético. Bom, com isso temos base para dizer que o amor é metafísico, ou seja, alem da abrangência de formulas e cálculos de variáveis, mesmo podendo ser percebido com a existência das mesmas. Mas de que isso me serve?
Serve para que entendam o porquê de eu dizer isso: Amor = Fé
Eu sou ateu, na verdade agnóstico, por ser agnóstico não sigo uma religião até que me provem sua veracidade, mas eu realmente acredito que existe algo do outro lado, não da vida, mas sim de nossa compreensão humana, e essa coisa só por existir, talvez somente em nossas mentes, nos da uma força que faz um homem jejuar mesmo tendo comida farta, um homem caminhar por um deserto mesmo podendo pegar um avião. É a poderosa fé! É ela que sustenta toda crença e faz muitos acreditarem em coisas metafísicas, ou seja, fora de nossa compreensão.
Mas o artigo não era sobre amor? Ai que vem o amor. Amar nada mais é que acreditar que ele existe. No momento em que você realmente acredita no amor a chance de você sentir o mesmo aumenta. É muito simples, assim como na fé de qualquer religião, apenas aqueles que realmente acreditam, não os que apenas dizem, é que sentem a presença, a força mágica da mesma. Isso é o que faz o amor algo tão difícil e doloroso de se alcançar, que é a necessidade de acreditar no mesmo apesar de todas os problemas para poder provar seu sabor.
Agora sabem como sentir o amor, mas e para ser recíproco? Ai vem o caso do dado de 20 faces. Não se sabe com certeza se o outro o ama de verdade, é preciso algumas tentativas, mesmo correndo o risco de tirar o 1 e escorregar no meio do caminho, mas sem riscos não se cria uma confiança. A confiança é a base do amor, sustentando a fé na sua existência e a fé no outro ser humano que amamos.
Então Amor = Confiança
Mas e o amor eterno? Ele é algo como uma armadura forjada com confiança, reforçada com muita doação e respeito. Como assim? Todo relacionamento que dura começa com algo comum, as vezes até instável, mas após um tempo se percebe que se ama cada vez mais a outra pessoa pois a confiança é aumentada por doações como abdicação de vícios, mudança de hábitos, tudo pelo bem do casal. Alem disso quem ama sabe respeitar o espaço do outro, sem temer também represálias ao expor o que acha que poderia mudar. Isso é puro respeito e é disso que um amor duradouro é formado.
Ou seja: Amar = Respeitar+Doar+Confiar
Os mais ligados nesse artigo longo perceberam que falta a atração. O que muitos pensam que quem ama não vê cara, mas vê sim. O mais interessante do amor é que ele embeleza as pessoas, não é a toa que tantos amigos acabam tendo um caso, pois existe a atração mental. Não basta ser um Rambo para ter atração, existe a parte de conhecimento profissional, gostar de coisas que a outra pessoa gosta, ou pelo menos não ter aversão as mesmas, conversar bastante e escutar também, falar sobre tudo sem medo alem de possuir um charme capaz de atrair a atenção do companheiro e isso não é algo voluntario.
Mas isso não é muito? Não! Tudo se resume a uma coisa simples: A pessoa amada deve ser no seu intimo sua melhor amiga!
E para esclarecer quem ama deseja, então quando acontece o sexo existe uma diferença quando se faz sexo e quando se faz amor, na primeira a sensação é otima, mas na segunda é simplesmente maravilhosa corporalmente e espiritualmente, faz de ambos cumplices.
Portanto Amar é desejar e isso inclui o ato sexual, como consequencia inevitavel
O que pensaria você se seu amigo soubesse mais sobre você do que a mulher que divide ou pretende dividir o sono todas as noites? Não é culpa dela que é desatenta, mas sim do fato de não se estabelecer uma cumplicidade suficiente para dividir tudo: sonhos, medos, intrigas e alegrias.
Portanto Amor = Cumplicidade.
Ok Bardo! Já chega! Mas ainda assim pra que isso tudo? A pergunta não era se o amor existe?
Isso tudo que escrevi (e bastante) serve para que percebam que p amor realmente existe, mas ele depende que as pessoas envolvidas partilhem da crença no mesmo. Quem vive um amor pleno como o meu (Le-Sama te amo tanto que mal tenho palavras para descrever!), sabe que não é perfeito, mas o esforço de ambos para sustentá-lo e cultivá-lo é que faz ele parecer perfeito. O amor é frágil, assim como a fé, mas é a arma mais poderosa, capaz de fazer um viciado largar o vicio, ou um criminoso ajudar o próximo. Se ambos estão comprometidos após algum tempo juntos vão sentir aquela coisa mágica da qual falo: A Paz divina que é Amar.
Se depois de tudo isso ainda não acreditam no amor eu vos digo leitores: Ele realmente existe e não há escapatória, mesmo que fuja um dia ira se apaixonar e viver aquele momento intenso e critico onde a duvida de tentar paira. Se não der o primeiro passo pode acabar perdendo aquele sucesso decisivo no D20, ou seja, perdendo o amor de sua vida. Portanto eu imploro: VAMOS DEIXAR DE SERMOS COVARDE E DIZER PARA AQUELES QUE AMAMOS, NAMORADOS, AMANTES, ESPOSAS, OU AMIGOS UM GRANDE, ENORME EU TE AMO!!!!
Papo de Bardo: O amor existe? Papo de Bardo: O amor existe? Reviewed by Vileblade on 30.6.10 Rating: 5

5 comentários

  1. ROSINHA EU TE AMO !!!

    ps:Post levemente editado por mim

    ResponderExcluir
  2. Ola a todos.
    Neste caso eu nem precisaria postar que concordo plenamente com o artigo do Vileblade e não é pelos motivos que a maioria esta pensando (É a namorada dele, lógico que concorda), mas sim pq esse pensamento foi construído em conjunto (modéstia aparte hehe).
    A visão que temos hj do amor foi sendo galgada de acordo com os anos e plenamente vivida neste pouco mais de 1 ano (Well TE EMO MUITOOOOOOOOO). Por tal motivo concordo sim, que o amor move tudo.
    Querem mais exemplos do que os acima citados? Então expliquem o porquê uma mãe se joga num rio em uma tempestade sem saber nadar para salvar o seu filho, simples – AMOR. E o porquê uma pessoal faz uma atrocidade, como exemplo abusar de um menor? A falta de amor? Talvez sim talvez não, eu creio que seria mais por causa de um amor traído (não estou defendendo essa atrocidade), porem sabemos que na maioria desses casos são crianças que na fase do amor inocente, da confiança plena nos que lhe cercam, são brutalmente traídos e maltratados tendo posteriormente um distúrbio psicológico. Mas o quê que estou querem dizer com isso, simples: O amor move TUDO, tanto para o bem quanto para o mal (no caso a falta de, ou suas disfunções), lembrando-se que amar demais é errado, sendo esta creio eu a maior disfunção de todas, podendo causar danos catastróficos.
    Resumindo o que quero dizer é que cabe a nos seres pensantes que somos, acreditarmos nesse sentimento exacerbante, alimentando ele de paciência, compreensão, cumplicidade e caridade, tendo também muita FE.
    Por fim Wellington-senpai AISHITERU MOTOO

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir